segunda-feira, 20 de abril de 2015

Estrelas de Nêutrons - O Elo Perdido Entre Estrelas Gigantes e Buracos Negros [Artigo]

Estrelas de nêutrons são o que restou de estrelas que chegaram ao final de suas jornadas na sequência principal estelar.

Estes corpos interessantes nascem quando estrelas massivas, 4 a 8 vezes maiores que o nosso Sol detonam-se e uma catastrófica explosão de supernova. Esta explosão faz com que todas as camadas externas da estrela sejam lançadas ao espaço, permanecendo apenas o núcleo (É bom lembrar que se a estrela a explodir for algumas vezes maior, ela não gerará uma estrela de nêutrons e sim um buraco negro). Este núcleo, sem a pressão gerada pela fusão nuclear para contrabalancear a gravidade, acaba por ser vencido por ela, colapsando sobre si próprio.
Hipernovas: Estrelas de Nêutrons - O Elo Perdido Entre Estrelas Gigantes e Buracos Negros [Artigo]


A despeito de seu pequeno tamanho - Cerca de 20 Km de diâmetro - Estrelas de nêutrons, resultados de núcleos estelares com cerca de uma vez e meia a massa do nosso Sol colapsados, são extremamente densos. Apenas uma pequeníssima parte delas, do tamanho de um cubo de açúcar, por exemplo, pesaria centenas de milhões de toneladas aqui na Terra.

A força gigantesca gerada pela gravidade em uma estrela de nêutrons, faz com que prótons e elétrons, que antes faziam parte do núcleo da estrela condenada, se juntem para formar nêutrons - Daí o nome estrelas de nêutrons. A composição de seus núcleos não é bem compreendida, mas alguns cientistas sugerem que possa ser formado por um líquido superfluido ou que forme algum estado desconhecido de matéria.

Estrelas de nêutrons possuem uma colossal força gravitacional, devido à grande quantidade de massa concentrada em tão pouco espaço.

Quando são formadas, elas giram extremamente rápido, tal qual uma patinadora aumenta sua velocidade de rotação quando esta recolhe os braços. A nova estrela de nêutrons precisa girar mesmo bem rápido para manter o mesmo momento angular que tinha quando era um grande núcleo uma vez e meio maior do que o Sol, só que agora com um diâmetro de 20 Km. Tal rotação pode ser tão rápida, que a nova estrela de nêutrons pode girar em torno de seu próprio eixo até 43 mil vezes por minuto.

Tente imaginar uma bola de 20 Km dando 716,7 voltas em torno de si mesma em apenas um segundo. Conseguiu? Não né?!

Luzes pulsantes
Algumas estrelas de nêutrons exibem jatos de material saindo de seus polos à quase velocidade da luz e quando estes jatos apontam para a terra, se parecem como a luz de um farol, como pulsos de luz. Neste caso, a estrela de nêutrons é chamada de pulsar.
Pulsar do Caranguejo

Quando pulsares de raios-x capturam matéria vindo de uma massiva estrela companheira, esta matéria interage com o campo magnético do pulsar, produzindo poderosos jatos de radiação que podem ser vistos nos espectros óptico, de raios-x e até mesmo como raios-gama - A forma de energia mais poderosa conhecida no Universo.