domingo, 12 de abril de 2015

NASA Pretende Mandar Astronautas à Marte em 20 Anos [Artigo]

Mas a radiação cósmica, a falta de gravidade e o tédio são problemas que precisam ser minimizados.

A humanidade há tempos tem sonhado em visitar Marte e já fez alguns progressos na direção deste objetivo histórico nas últimas décadas, mas ainda é necessário resolver alguns problemas sérios com relação à logística e à saúde da tripulação.

Astronautas engajados em uma missão deste porte terão de levar consigo toda a comida, água e demais suprimentos necessários para 6 a 9 meses de viagem até o planeta vermelho. Seus corpos precisarão se adequar à falta de gravidade e a forte radiação existente no espaço sideral, mas há um problema tão importante quanto estes: A monotonia.
Hipernovas: NASA Pretende Mandar Astronautas à Marte em 20 Anos [Artigo]


A NASA está construindo foguetes e espaçonaves para levar pessoas até lá e estes equipamentos estarão prontos em breve. A agencia espacial americana que enviar astronautas às proximidades de Marte na metade da década de 2030. A questão é: Como será esta longa viagem?

Em primeiro lugar a NASA precisa descobrir como manter seus astronautas saudáveis após longos períodos em gravidade zero. Usar espaçonaves rotatórias para criar gravidade artificial parece impraticável neste primeiro momento, pois seria muito cara e exigiria um monte de tecnologia que sequer foram testadas. Em vez disso, cientistas têm mesmo de quebrar suas cabeças para descobrir como manter a primeira equipe que irá à Marte saudável.

Todos somos crias da gravidade 1-G e foi para conviver com ela que nós fomos criados. À partir do momento que nós a excluímos, passamos a ser novos e mudados. "Nosso organismo é muito eficiente em dar cabo daquilo que passamos a não usar mais", disse Tara Ruttley, cientista do programa Estação Espacial internacional (ISS). Isto significa que músculos irão atrofiar, a densidade ods ossos irá diminuir e o sistema de defesa do organismo humano ficará mais fraco, adicionou Tara.

Alguns destes problemas já estão sendo testados neste momento. Por exemplo, os astronautas Scott Kelly e Mikhail Kornienko (foto acima) recentemente embarcaram em uma missão de um ano inteiro à bordo da Estação Espacial internacional.

"Precisamos recolher todos os dados que pudermos em nosso laboratório de órbita baixa chamada ISS", disse Tara.

Mas e a radiação? Os pioneiros que se lançarão a uma viagem tão longa em direção à Marte serão expostos a muito mais radiação através do espaço profundo, que a que estamos acostumados a sofrer, bem protegidos pela forte magnetosfera da Terra.

Alguns estudos apontam que as mulheres são mais suscetíveis a tais níveis de radiação que os homens, porém, mulheres têm menor estatura e consomem menos comida que os homens, então pode ser uma estratégia mais lógica mandar mais mulheres que homens a tal tipo de missão.

"Infelizmente, das 500 pessoas que participaram de missões espaciais, apenas 60 eram mulheres, etão não dispomos de muitas informações à respeito delas", disse Tara.

Mas quando este problema for contornado vem a pergunta: Como será tal viagem ao planeta vermelho?

"Nenhum humano jamais foi tão longe da Terra", disse Kate Greene, Jornalista de ciência e tecnologia freelance, que trabalhou como parte da equipe HI-SEAS (Havaii Space Exploration Analog and Simulation).

Em uma missão à Marte, o atraso entre mensagens trocadas entre a equipe de apoio na Terra e a espaçonave pode ser de até 22 minutos. Para manter os astronautas ocupados, terão de conduzir experimentos durante a viagem.

"O ideal é que descubramos formas de mantê-los focados em coisas e não só conversando e esperando o final da viagem", acrescentou Tara. "É necessário fazer com que pensem o tempo todo que eles têm um propósito.

Astronautas ficam entediados? "Nenhum deles admitirá que sim", disse Kate. "Na missão simulada HI-SEAS havia toneladas de coisa a se fazer, mas também havia monotonia durante a execução das rotinas diárias", acrescentou.

"Quando astronautas viajam ao espaço hoje em dia, seus dias são sempre cheio de trabalhos a serem executados e quando eles têm algum tempo livre, gostam de ficar olhando para as paisagens da Terra", disse Josh Hopkins, engenheiro de exploração espacial da Martin Space Systems. "Mas em uma missão à Marte, não há nada para ver lá fora e ficar olhando para a imensidão do espaço sideral talvez não seja a melhor coisa a se fazer", acrescentou Hopkins.

Viajantes pioneiros rumo ao planeta vermelho deverão estar preparados para enfrentar o tédio. O processo de seleção de astronautas da NASA se vale de rigorosos exercícios psicológicos.

"Queremos ter certeza de enviar à Marte, astronautas que não causem muito drama", disse Kate. "Afinal de contas, ninguém quer em uma viagem tão longa e histórica rumo à Marte, alguém que daria uma boa audiência a algum reality show".