quarta-feira, 8 de abril de 2015

Sinais de Vida Extraterrestre Serão Encontrados Até 2025 - Cientistas da NASA afirmam [Artigo]

A humanidade está às portas de finalmente descobrir vida alienígena e estas palavras vêm de altos cientistas da NASA!

"Eu penso que estamos a caminho de coletar fortes indicações de vida além-Terra em uma década e de encontrar evidências definitivas dela daqui a 20 ou 30 anos", diz ninguém menos que Ellen Stofan, cientista-chefe da NASA, em 07 de abril deste ano, durante uma conferência para discutir estratégias da agência espacial americana para encontrar mundos habitáveis e vida extraterrestre.
Hipernovas: Sinais de Vida Extraterrestre Serão Encontrados Até 2025 - Cientistas da NASA afirmam [Artigo]


"Nós sabemos onde procurar. Nós sabemos como procurar", disse Ellen durante o evento. "Na maioria dos casos, temos a tecnologia e estamos às vésperas de implementá-las. Estamos definitivamente no caminho certo", acrescentou.

Outro membro da NASA, John Grunsfeld, astronauta, compartilhou o mesmo otimismo de Ellen, dizendo ainda que sinais de vida alienígena serão encontrados brevemente tanto no nosso sistema solar quanto em outros sistemas próximos.

"Eu penso que estamos na geração que irá encontrar vida, seja em Marte ou em alguma lua gelada aqui no Sistema Solar e há uma geração de confirmar vida em algum planeta que orbite uma estrela próxima", disse Grunsfeld no mesmo evento.

Muitos ambientes habitáveis

Descobertas recentes sugerem que o Sistema Solar e nossa área da Via-Láctea estão cheios de ambientes que dão suporte à vida como a conhecemos.

Por exemplo: Oceanos de água líquida preenchem o interior das luas de Júpiter: Europa e Ganimedes e também da gelada Encélado, que orbita Saturno. No passado, boa parte da superfície de Marte era coberta por vastos oceanos.

Também, o rover Curiosity detectou moléculas orgânicas contendo carbono e nitrogênio, ingredientes básicos necessários para vida como a conhecemos, bem na superfície de Marte.

Observações feitas pelo satélite caçador de planetas Kepler, sugerem que praticamente todas as estrelas do céu possuam planetas orbitando-as e muitos destes mundos alienígenas possam ser habitáveis. Estudos dos dados enviados pelo telescópio Kepler, também parecem demonstrar que planetas rochosos, como nossa Terra e Marte, são mais comuns que gigantes gasosos como Júpiter e Saturno.

"Se o Sistema Solar está inundado em água, imagine então o que podemos esperar do resto da Via-Láctea", disse Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da NASA.

A nossa galáxia é uma "galáxia encharcada", acrescentou. "Nós podemos ver água em nuvens de gás interestelares, nas quais sistemas planetários se formam. Nós podemos ver água nos discos de poeira que vão dar origem à novos sistemas planetários em outras estrelas", disse ainda.

Procurando por vida

Tentar achar evidências de vida é um trabalho muito mais árduo que encontrar mundos habitáveis mas pesquisadores estão trabalhando à todo vapor para concluir este objetivo o mais rápido possível. Disse Ellen e outros participantes do evento.

Por exemplo: O mais novo rover que irá à Marte, programado para ser lançado em 2020, irá procurar por sinais de vida passada e coletar amostras para um possível envio destas à Terra, para análise. A NASA também tem como objetivo enviar humanos ao planeta vermelho em 2030 - Uma ação importantíssima na busca por vida em Marte.

A agência espacial americana também tem planos de enviar uma missão à Europa em 2022. O objetivo principal desta missão que custará em torno de 2,1 bilhões de dólares, será lançar luz sobre o potencial habitável da lua mas também poderá procurar por sinais de vida alienígena. Também se cogita a possibilidade de coletar e estudar água das plumas de vapor que saem da superfície sul da lua em direção ao espaço.

No reino dos planetas extrassolares, o Telescópio Espacial James Webb - Uma máquina de 8,8 bilhões de dólares, previsto para ser lançado em 2018, irá vasculhar nos céus, atmosferas de super-terras próximas, procurando por gases que possam ter sido produzidos por formas de vida.

James Webb irá escanear a luz das estrelas que passam através da atmosfera de super-terras, que são maiores que nossa Terra, mas significantemente menores  mundos gasosos como Urano e Netuno. Este método, conhecido como Espectroscopia de Trânsito, não funcionará com planetas menores, tais como a Terra, disse Hertz.

Procurar por bio assinaturas de vida em atmosferas de planetas menores irá requerer imagens diretas destes planetas, usando-se coronagraph, para bloquear o brilho ofuscador de suas estrelas-mãe. Acrescentou Hertz.

O Telescópio Infravermelho de Vigilância de Campo Amplo, da NASA, com lançamento previsto para depois de 2020, irá incluir uma coronagraph com esta finalidade.

Então, se você é um entusiasta de astronomia e de vida alienígena, estes próximos anos prometem e muito!