terça-feira, 12 de maio de 2015

O Som Mais Alto Já Testemunhado em Toda a História Humana [Artigo + Vídeo]

Gerado pela erupção do vulcão Krakatoa, foi tão poderoso que deu 4 voltas em torno da Terra!

Em 27 de agosto de 1883, a Terra gerou um som jamais testemunhado em toda a história humana. Relógios locais marcavam 10:02 da  manhã, quando o som emergiu da ilha de Krakatoa, que fica situada entre Java e Sumatra, na Indonésia. Foi ouvido a 2.000 Km de distância nas Ilhas Nicobar como barulho de armas disparando; 3.600 Km de distância, na Nova Guiné e oeste da Austrália como sons de disparos à média distância e mesmo a 5.400 Km de distância, na Ilha de Rodrigues, no oceano Índico, próxima às Ilhas Maurício, como barulhos distantes de disparos de armas pesadas. De fato, o barulho da erupção foi ouvido por pessoas de cerca de 50 diferentes regiões geográficas, que juntas cobrem cerca de um terço do globo terrestre.
Hipernovas: O Som Mais Alto Já Testemunhado em Toda a História Humana [Artigo + Vídeo]


Pense por um momento o quão aterrador foi tal som. Se você estivesse em São Paulo e alguém te dissesse que ouviu um som vindo do Rio de Janeiro, você provavelmente daria uma risada e não acreditaria. Mas o Rio de Janeiro dista apenas 350 Km de São Paulo. Estamos falando de um som que, se tivesse sido gerado em Fortaleza no Ceará, cruzaria todo o oceano Atlântico até ser ouvido em Lisboa-Portugal 4 horas depois!

É o som que detém o recorde de mais distante já ouvido em toda a história.

O vulcão Krakatoa explodiu com tamanha força, que rasgou sua ilha ao meio e a cratera gerada foi uma monstruosidade de 16 Km de extensão. A pluma de fumaça chegou a 27 Km de altura, atingindo cerca de duas vezes a velocidade do som, subindo aos céus a cerca de 1 Km por segundo. Todas as formas de vida vegetal e animal que habitavam a ilha foram dizimadas.

A erupção criou tsunamis de até 40 metros de altura. 165 vilas e assentamentos foram engolidos e destruídos pelas ondas gigantes, resultando em cerca de 36.000 mortes.

O navio britânico Norham Castle estava a cerca de 70 Km de Krakatoa no momento da explosão e seu capitão escreveu o seguinte no diário de bordo: "Tão violenta foi a explosão, que os tímpanos de mais da metade da minha tripulação foram estourados. Pensei só em minha amada esposa. Estava crente que o dia do Juízo Final havia chegado bem naquele momento".

Sons são causados por flutuações na pressão do ar. Um barômetro na estação de gás em Batavia, que dista 180 Km de Krakatoa, registrou pico de pressão de 2,5 polegadas de mercúrio, que convertendo-se em decibéis, chega-se a cerca de 172 decibéis de pressão sonora - Um som inimaginavelmente alto.

Só para fins de comparação, se você estiver operando uma britadeira, estará sujeito a sons de cerca de 100 decibéis. A 130 decibeis, o ser humano já sente dor nos ouvidos causada pelo som. Se você tiver o azar de ficar próximo a um motor a jato no momento que ele for ligado, estará exposto a um som de 150 decibéis - Um som com aumento de 10 decibéis, é percebido por um ser humano como duas vezes mais barulhento e assim por diante.

A erupção do Krakatoa registrou 172 decibéis a 180 Km de distância da fonte. Isto é tão espantosamente alto que chega ao limite do que odemos chamar de som!

Quando você fala, você empurra e traz para si moléculas de ar, dezenas ou centenas de vezes por segundo, fazendo com que a pressão do ar seja baixa em alguns lugares e mais alta em outros. Quanto mais alto o som, mais intenso este movimento e mais altas são as diferenças na pressão do ar, mas há um limite para o quão barulhento um som possa ser: Até chegar em um certo ponto, as flutuações na pressão do ar serão tão grandes que as áreas de pressão baixa chegarão a zero - Vácuo.

Este limite ocorre em cerca de 194 decibéis para um som gerado na atmosfera terrestre. Mais alto que isto e o som não se propagará através do ar. Ele carregará o ar junto com ele, criando uma explosão de ar em movimento pressurizado, conhecido como onda de choque.

Próximo ao Krakatoa, o som gerado ultrapassou este limite, criando uma onda de choque tão poderosa que estourou os tímpanos dos pobres marinheiros que estavam no navio britânico a 70 Km dali.

À medida que o som viajou até cerca de 5.400 km, chegando à Austrália e ao oceano Índico, sua intensidade diminuiu à ponto de se parecer com o estrondo distante de uma arma de fogo. Depois dos 5.400 Km, a intensidade do som dimnuiu até não ser mais detectado por ouvidos humanos, mas ele continuou indo em frente, reverberando por dias através do globo terestre. A atmosfera da terra estava tocando como um sino, inaudível para nos, mas detectável para nossos instrumentos.

Em 1883, várias estações climáticas usavam barômetros para detectar mudanças na pressão do ar atmosférico.

  • 6h47m depois da erupção do Krakatoa, um pico na pressão do ar foi detectado em Calcutá.


  • Depois de 8h, o pulso chegou às Ilhas Maurício, no oeste e em Melbourne e Sydney no leste.


  • Em 12h São Petersburgo registrou o pulso, seguido por Viena, Roma, Paris, Berlim e Munique.


  • Em 18h, o pulso foi detectado em Nova York, Washington e Toronto.

Mas não se surpreenda ainda. Depois de 5 dias da explosão, 50 estações mundo afora ainda detectavam variações na pressão do ar proveniente da mega erupção do Krakatoa a cada 34 horas aproximadamente. Estes dados foram usados para se medir quanto tempo leva para um som dar uma volta completa no planeta.

No total, as ondas de pressão geradas pela explosão do Krakatoa circularam a Terra de 3 a 4 vezes em todas as direções. Cada cidade sentiu até 7 picos na pressão do ar causados por ondas de choque viajando em direções opostas ao vulcão.

Enquanto isso, estações de medição na Índia, Inglaterra e São Francisco viam o nível das ondas oceânicas aumentarem seguindo estes pulsos - Um efeito jamais testemunhado antes. Era um som que não podia mais ser ouvido, mas continuava movendo-se ao redor do mundo. Um fenômeno apelidado de "A Grande Onda de Ar".

Recentemente, um incrível vídeo amador feito por um casal em férias na Papua Nova Guiné flagrou uma explosão vulcânica que fez sucesso na internet. Este vídeo nos dá a exata sensação, em escala muito menor à da explosão do Krakatoa, é claro, de uma onda de pressão causada por uma erupção vulcânica:


Quando um vulcão explode, cria um repentino pico de pressão. Dá até para vê-lo movendo-se através do ar, condensando vapor de água em nuvens no vídeo. As pessoas que gravaram o evento felizmente estavam distantes o bastante para não terem sofrido consequências mais graves causadas pela onda de choque gerada.

Demorou 13 segundos para a explosão ser ouvida no barco, que foi ouvida como o barulho intenso de disparo de arma de fogo, acompanhado por uma repentina explosão de ar. Multiplicando-se 13 pela velocidade do som, chegamos à conclusão de que o barco se encontrava a cerca de 4,4 Km do local da erupção.

Isso dá uma ideia do que aconteceu com o Krakatoa, exceto pelo barulho, que pôde ser ouvido não há 4 Km, mas há 5.400 km de distancia. Uma demonstração do incrível poder destrutivo que a natureza pode liberar!

Hipernovas via:
[1] http://nautil.us/blog/the-sound-so-loud-that-it-circled-the-earth-four-times
[2] http://pt.wikipedia.org/wiki/Krakatoa