quarta-feira, 24 de junho de 2015

Como as Naves Voyager Passaram Pelo Cinturão de Asteroides Sem Colidir Com Nenhum Deles? [Artigo]

As naves Voyager usam o mesmo sistema para evitar colisões com asteroides que os pilotos de jato usam para evitar choques com aves, ou seja: Contam com que a probabilidade de se chocar no ar com alguma delas seja extremamente baixa.

As ilustrações do Sistema Solar que vemos na escola (como a que é mostrada abaixo) nos levam a pensar que o cinturão de asteroides é um espaço compacto, com muitos asteroides próximos, o que não representa nem de perto a realidade. De fato, eles estão concentrados entre as órbitas de Marte e Júpiter, espaço que corresponde a quatro vezes a distância da Terra ao Sol ou cerca de 400 vezes a distância da Terra à Lua.
Hipernovas: Como as Naves Voyager Passaram Pelo Cinturão de Asteroides Sem Colidir Com Nenhum Deles? [Artigo]


O enorme volume de espaço no qual os asteroides estão contidos faz com que eles estejam muito, mas muito espaçados. A distância média entre dois asteroides, no cinturão de asteroides, é de cerca de 1.000.000 de km. Isso mesmo, um milhão de quilômetros!

Para efeito de comparação, nossa Lua está a 384.000 km de nós, o que implica dizer que se a Terra fosse um asteroide e você olhasse em volta, para encontrar outro asteroide mais próximo da Terra, este estaria duas vezes e meia mais longe do que a Lua está de nós. É realmente muito espaço para pouco asteroide. Contudo, o cinturão de asteroides é o lugar onde se encontra a maior densidade deles.

Para deixar este artigo ainda mais interessante, saiba que, "logo mais à frente", há uma nuvem de corpos gelados, conhecida como Nuvem de Oort, que circunda todo o Sistema Solar aguardando a chegada e passagem das naves Voyager.
A nuvem Oort está a meio caminho entre o Sol e o sistema estelar mais próximo, conhecido como Alfa Centauri.

Mas a Voyager 1 não chegará lá tão cedo: Levará 300 anos para que ela atinja a nuvem e mais 30.000 anos para que ela a atravesse. Quando atravessá-la, por volta do ano de 32.000, a Voyager 1 terá definitivamente deixado o Sistema Solar.

É bom que se diga que os corpos gelados que formam a Nuvem de Oort estão tão espaçados entre eles, que a possibilidade dela atingir algum deles, mesmo viajando a dezenas de milhares de quilômetros por hora, durante 30 mil anos é mais remota do que você, que está lendo agora este artigo, ganhar na Mega Sena!