domingo, 4 de outubro de 2015

NASA Anuncia Descoberta de Água em Marte, Rover Curiosity Está a 50 km de Distância, Mas Está Proibido de ir Até o Local [Artigo]

Esta semana, cientistas da NASA anunciaram ao mundo que encontraram evidências químicas de água líquida na superfície de Marte, mas estas evidências jamais poderão ser confirmadas até que mandemos robôs ou humanos até o local, para conformarem com seus próprios olhos (ou câmeras). Fato que poderia nos deixar empolgadíssimos, é que o mais novo rover lançado à Marte pela NASA; o Curiosity, está a somente cerca de 50 quilômetros do local onde evidências de água líquida foram detectadas pelas câmeras dos orbitadores que circundam o planeta vermelho.
Hipernovas: NASA Anuncia Descoberta de Água em Marte, Rover Curiosity Está a 50 km de Distância, Mas Está Proibido de ir Até o Local [Artigo]


No entanto, infelizmente, o Curiosity está terminantemente proibido de sequer chegar próximo do suposto oásis marciano. Isto devido a um acordo que deve ser respeitado por todas as nações do mundo, o qual proíbe objetos lançados da Terra, que não forem devidamente esterilizados de chegar próximo à fontes de água líquida, seja em Marte ou em qualquer outro corpo do Sistema Solar.

O tratado (inglês) de 1967, estipula que ninguém pode mandar missões, ou robôs, ou mesmo humanos para próximo de fontes de água extraterrestre sem que estejam 100% esterilizados, para evitar contaminação do lugar por vida originária da Terra.

Como não há garantia de 100% de que o Curiosity não carregue consigo algum tipo de vida microbiana oriunda da Terra, o mesmo não poderá investigar o local, mesmo estando tão próximo.

Você pode se perguntar por que cargas d'água (trocadilho intencional) a NASA não tratou de esterilizar o Curiosity antes de enviá-lo até Marte? Bom para garantir, com 100% de certeza, que o equipamento ficasse totalmente livre da "inconveniente" vida terrestre, teria de ser pesadamente bombardeado por radiação ionizante ou aquecido à temperaturas altíssimas. O problema é que não se sabe como fazer isso sem comprometer as delicadas partes eletrônicas que fazem com que este equipamentos funcione.

Talvez tenhamos que esperar mesmo até meados da década de 2030, época na qual a NASA planeja enviar sortudos astronautas ao planeta vermelho, os quais poderão ver com seus próprios olhos, filetes ou riachos de água corrente escorrendo pelas montanhas do nosso planeta mais hospitaleiro depois da Terra e quem sabe, observar e finalmente confirmar vida nativa do próprio Marte.

Aguardemos.